whatsapp.png

dúvidas?

+5511 98016-8311

fale com a gente!

Ciclo Empodera 23/03, 28/03, 30/03

E o EMPODERA é o primeiro ciclo que a Casa Locomotiva vai promover.

O protagonismo do mês de março é feminino e o espaçø é para todxs!

O lugar de mulher é onde ela quiser, por isso vamos reunir mulheres de várias áreas de atuação para contar e trocar suas experiências. O evento é gratuito, dividido em 3 dias e vai rolar debates sobre a mulher na arte urbana, produção e colagem dos lambes, empoderamento e consciência do corpo feminino, body positive, padrões de beleza, modelo vivo, exibição de curta, performance, lançamento de livro, bate-papo sobre música e, para fechar o ciclo, discotecagem.

Nos dias, também teremos bottons exclusivos à venda para apoiar o evento, feitos pelas ilustradoras Camila Torrano e Renata Ribak.

 

Participe do ciclo que propõe uma construção e aprendizado coletivo. Ocupe e seja um corpo político no mundo, habite, crie e co-crie!

 

  • Sábado 23/03

 

15h às 15h30 - Abertura com Maria Elisabete e Discurso da Mulher na Arte Urbana

Maria Elisabete é gestora de projetos culturais, sócia da Humanize Produções. Bacharel em Comunicação Hab. Relações Públicas, especializada em Mídias Digitais, onde trabalhou para Paramount e Warner Bros. Pós graduada em Gestão de Projetos Culturais pelo Celacc, USP. Já realizou produções em Dublin, Brasília, Salvador, Florianópolis e São Paulo; em festivais, Institutos, ONGs, SESC's e Prefeituras. A Maria vai abrir nosso ciclo trazendo um pouco da sua experiência e da sua pesquisa “Discurso da Mulher na Arte Urbana”.

 

15h30 às 16h30 - Arte Urbana com a Madô Lopez e Criação de Lambes

Madô Lopez é ilustradora e grafitteira e vai contar um pouco da sua experiência na arte urbana. A ideia é iniciar o encontro no ateliê da Casa, numa produção coletiva de lambes para quem quiser transmitir através de qualquer linguagem, seja ela, fotografia, frases de impacto, desenho, ilustra, colagem, etc, o que der na telha ou o que está latente na cabeça e na luta da mulher contemporânea.

 

16h30 às 18h30 - Empoderamento e consciência do corpo feminino e body positive com Flávia Carvalho e Genize Ribeiro

No primeiro momento, a Flávia vai falar um pouco sobre o panorama geral da opressão de corpo, pressão estética e gordofobia, abordando suas experiências pessoais e, depois, abrindo para uma roda de conversa e dúvidas. E, no segundo momento, vai guiar uma atividade de consciência corporal e empatia. 

Como convidada, sua amiga Genize Ribeiro para também dividir suas experiências.

 

18h30 às 20h - Modelo Vivo com Marina Veneta

Modelo Vivo foi escolhido como ferramenta de estudo por Marina Veneta como luta e expressão da mulher, manas unidas em imagem entre os efeitos sonoros de giz e papel, concluindo mais uma vez uma porcentagem desse conhecimento infinito do universo feminino a partir de si, a partir da outra. Como modelo convidada, Beatriz Bajurd.

 

  • Quinta-feira 28/03

 

19h30 - Exibição do curta metragem Eu Oxum - O sagrado e o Feminino com Héloa

Bate-papo com a diretora e roteirista, e cantora, Héloa Rocha, que, no viés do filme aborda o tema, o feminino e o sagrado, preconceito, racismo e resistência religiosa.

Eu Oxum é um curta independente (dirigido por Héloa e Martha Sales) que narra, de maneira sensível, o cotidiano de seis filhas de Oxum, orixá feminino cultuado na umbanda e no candomblé. Em um terreiro do Vale do Cotinguiba, no interior do Sergipe, mulheres comandam os rituais do candomblé. Acompanhando o dia-a-dia do terreiro Ilê Axé Omin Mafé, na pequena cidade de Riachuelo (SE), as diretoras buscam registrar  as histórias de inserção na religião, respeito às hierarquias, fé e os preconceitos sofridos pelas personagens. O candomblé é uma religião de Matriz africana, na qual Oxum é a deusa do amor, orixá da riqueza e da maternidade, uma Yabá, diretamente ligada ao cuidado, amamentação, beleza e o feminino.

 

  • Sábado 30/03

 

Dia todo - Lançamento do livro “Olhares Negros” da autora bell hooks com a Editora Elefante

“Olhares negros” chega colocando o dedo na ferida do machismo e do racismo cotidianos e midiáticos, na prosa pungente de bell hooks, a feminista negra norte-americana que ganha cada vez mais espaço entre os leitores e as leitoras brasileiras.

 

14h às 15h - Colagem dos Lambes

Nesse momento, os lambes produzidos no final de semana anterior, serão colados nas paredes da Casa.

 

15h30 às 16h - Performance com Marina Veneta

Para esse momento, Marina Veneta irá trabalhar o Modelo Vivo com imagem e som. Será exercitado o desapego do desenho, exaltado o exercício da fotografia e observação, questionando o que é imposto como correto a uma mulher. Como parceira da performance, Tainara Fernandes.

 

16h às 18h - Bate-papo sobre a cena musical com Indy Naíse e Héloa

Indy Naíse é cantora e compositora, nasceu em 1993 na cidade de Juazeiro (Bahia), porém é radicada em São Paulo. Com seu repertório majoritariamente autoral, aborda questões que são emergenciais para nosso convívio em sociedade. Tendo o foco na mulher negra, no racismo, machismo e desigualdade social, seu trabalho consegue nos mostrar isso de forma implacável e direta. Lançou recentemente seu primeiro disco “É questão de cor”.

Héloa Rocha (diretora e roteirista do curta (Eu Oxum - O sagrado e o Feminino), é atriz, cantora e diretora teatral, formada em Artes Visuais pela Universidade Federal de Sergipe. Em seu histórico, possui mais de 15 anos de carreira de envolvimento e estudos em diversas linguagens e expressões artísticas que vão desde a cultura popular, tradicional e de matriz africana do seu Estado, a arte contemporânea.

As duas vão unir suas vozes e contar sobre suas experiências no cenário musical como mulheres.

 

18h às 20h - Encerramento com a DJ Mana Maia

DJ Mana Maia é sonoplasta, técnica de Som e dj formada pelo Instituto Cultural Dandara-SP. Soteropolitana radicada em São Paulo. Set list só composto de Artistas/Intérpretes Mulheres, chamado Da Mana Para as Minas.

 

 

Rede de Apoio ao povo Kariri-Xocó

Nos 3 dias do ciclo, a Casa também estará oferecendo apoio ao povo Kariri-Xocó com arrecadações e contribuições.

A Rede de Apoio ao povo Kariri-Xocó veio nesse mês de março para São Paulo em mais uma travessia do grupo Sakubá, de Alagoas.

Toda contribuição é extremamente importante:

  • Alimentos não perecíveis;

  • Produtos de limpeza;

  • Valores em dinheiro (para compra de alimentos perecíveis e outras necessidades).

Ciclo Empodera 23/03, 28/03, 30/03

R$ 0,00Preço
    whatsapp.png
    0

    Rua Girassol, 973 - Vila Madalena

    (11) 98016-8311

    contato@casalocomotiva.com.br